Síndromes femoropatelares

Dentre os maiores desafios da ortopedia atual, encontram-se as síndromes femoropatelares, ou dor anterior do Joelho.São um conjunto de doenças que traduzem o mau funcionamento do “deslizamento” da Patela (Rótula) contra o Fêmur. Seu estudo iniciou- se desde a era pré-cristã, como demostram os estudos de Galeno em 200 DC, que lhe desidnou tratamento com bandagens.

 

De uma maneira geral, em decorrencia de alterações antropométricas, maior longevidade e maior preocura a arividades esportivas, sua incidencia tem aumentado cada vez mais e clinicas de ortopedia e seu diagnostico e manejo vão ditar a competência do profissional.

 

Mas, o que é ?

 

As síndromes femoropatelares são caracterizadas por dor espontanea no joelho, sem trauma evidente, que começa devagar, vem aumentando progressivamente e limita cada vez mais as atividades esportivas do paciente. Em geral, o esportista sente a dor ou desconforto após a prática esportiva, passando progressivamente a ter sintomas durante o esporte e,via de regra, procura auxilio médico quando a dor atingiu seu pico e o incomoda a noite. 

Por que acontece ?

 

Micro-traumas:

 

Existe uma gama de fatores intrinsecos e extrinsecos que podem levar ao aparecimento da doença,mas, certamente, os chamados micro-traumas de repetição são a chave para seu entendimento. Assim como em qualquer modalidade esportiva, a carga cíclica contínua passa a ser supra-fisiológica e rompe o envelope de função dos tecidos e leva à lesão de graus variáveis. 

Mau alinhamento dos membros inferiores:

 

Mesmo que os sintomas estejam no Joelho, muitas vezes, os fatores que os desencadeiam podem estar em outras articulações, ou mesmo relacionados ao desequilíbrio,fraqueza e encurtamento muscular.

 

A má formação da rotula e da Tróclea ( onde a mesma se articula com o Femur)rotações alteradas dos quadris, Joelho em “X”, Joelho arqueado, pés planos, rotação interna ou externa excessiva dos pés são os principais fatores a causar alterações na Cinemática femoropatelar.

 

Uma Patela que desliza sobre o Fêmur de maneira alterada levará, consequentemente, a alterações no direcionamento dos vetores de força. Normalmente, durante a flexo-extensão, existem forçam atuando em um plano frontal, de lateral para medial, no plano Horizontal, no qual a rótula tende a medializar-se e no plano sagital. Havendo uma maior pressão nas superficies de contato cartilaginosas, haverá perda da integridade a da cartilgem articular, desencadeando a chamada CONDROMALACEA.

 

A chamada Patela Alta, condição na qual a Rótula localiza-se em ponto demasiadamente alto e entra tardiamente no sulco troclear do Joelho durante a flexão, causa decomposição do braço de alavanca,que por sua vez leva ao acumulo de tensão no tendão patelar, desencadeando as “tendinites”.

 

Reabilitação

 

Seja qual for a patologia, a dor anterior do Joelho chega a ser cruel com o esportista.Causa medo, apreensaão e o afasta do esporte, com a idéia de que nunca mais será capaz de praticar a mesma atividade de sempre. Este sentimento, junto à ansiedade da rabilitação também devem ser trabalhados pelo profissional da saúde. Portanto, sem o estabelecimento de uma boa relação entre ambas a as partes, ela nunca vai acontecer.

 

A maior parte do tratamento baseia-se em Fisioterapia, com alongamento de caideias musculares extensoras e flexoras, trabalho muscular em rotadores de quadril e reeducação Geral da Postura (RPG). Após obtido controle da dor e melhoria do alongamento, inicia-se o trabalho de fortalecimento isométrico e isocinético da musculatura.

 

O retorno a atividades esportivas dependerá muito da modalidade e deverá sempre ser acompanhado por um instrutor especializado na área.A atenção deverá ser centrada na correção de fatores etiologicos.No trekking, por exemplo, deve-se corrigir fatores posturais com uso de calçados e palmilhas adequados, uso de bastões protetores para grandes descidas, protetores de tendão patelar, dentre outros.

 

Para Mountain Bike, sempre se recomenda o uso de banco alto e muito alongamento antes e após o esporte.E em modalides de grande torque articular como o montanhismo e corrida de aventura, recomenda-se o retorno apos uma reabilitação mais ampla.

 

Dr. Adriano Leonardi

CRM/SP 99660

Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela Santa Casa de São Paulo.

Médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, traumatologia do esporte e wilderness medicine. 

 

Referências Bibliográficas

 

– Cohen M.,Abdalla R. LESOES NOS ESPORTES DIAGNOSTICO, PREVENÇAO E TRATAMENTO.Revinter,2002.

 

– Andrade MAP Clínica Ortopédica, A articulação Fêmoro-patelar. Medsi, Setembro 2002, vol. 3/3

 

– Fulkerson JP Patologia da articulação patelofemoral. REVINTER,2002, terceira edição.

 

– McEwan I, Herrington L, Thom J. The validity of clinical measures of patella position. Man Ther. 2006 Sep 8;

 

– Powers CM, Chen YJ, Farrokhi S, Lee TQ. Role of peripatellar retinaculum in transmission of forces within the extensor mechanism. J Bone Joint Surg Am. 2006 Sep;88(9):2042-8.

 

– Gregersen CS, Hull ML, Hakansson NA. How changing the inversion/eversion foot angle affects the nondriving intersegmental knee moments and the relative activation of the vastii muscles in cycling. J Biomech Eng. 2006 Jun;128(3):391-8.

 

– Hopkins JT, Ingersoll CD, Sandrey MA, Bleggi SD. An Electromyographic Comparison of 4 Closed Chain Exercises. J Athl Train. 1999 Oct;34(4):353-357.

 

– Cheung RT, Ng GY, Chen BF. Association of footwear with patellofemoral pain syndrome in runners. Sports Med. 2006;36(3):199-205. Review.

 

– Fredericson M, Yoon K. Physical examination and patellofemoral pain syndrome. Am J Phys Med Rehabil. 2006 Mar;85(3):234-43. Review.

 

– Gerbino PG 2nd, Griffin ED, d’Hemecourt PA, Kim T, Kocher MS, Zurakowski D, Micheli LJ. Patellofemoral pain syndrome: evaluation of location and intensity of pain. Clin J Pain. 2006 Feb;22(2):154-9.

 

– Murray IR, Murray SA, MacKenzie K, Coleman S. How evidence based is the management of two common sports injuries in a sports injury clinic? Br J Sports Med. 2005 Dec;39(12):912-6; discussion 916. Review.

 

– Shelburne KB, Torry MR, Pandy MG. Muscle, ligament, and joint-contact forces at the knee during walking. Med Sci Sports Exerc. 2005 Nov;37(11):1948-56. Review.

 

– Anderson AF, Irrgang JJ, Kocher MS, Mann BJ, Harrast JJ; A International Knee Documentation Committee. The International Knee Documentation Committee Subjective Knee Evaluation Form: normative data. Am J Sports Med. 2006 Jan;34(1):128-35. Epub 2005 Oct 11. 

Leave your comment