Lesões do Trekking

A) Pés:

 

O contato constante com água e a fricção com o calçado durante a marcha podem desencadear as famosas “bolhas”, que nada mais são que um mecanismo do organismo de impedir a progressão da descamação da epiderme. Para que isso seja evitado, deve-se ter tênis de tamanho apropriado e proteger áreas suscetíveis com bandagens e esparadrapos.

Unhas também costumam ser lesadas, principalmente quando estão muito grandes e/ou o calçado está muito apertado. É comum o praticante observar hematomas subungueais (em baixo da unha). Portanto, mais uma vez, o tênis deve ser de tamanho apropriado e unhas muito bem aparadas um dia antes do esporte.

Uma condição mais rara, porém mais grave inclui o chamado”frostbite”, lesão desencadeada em ambiente frio, onde a vasoconstricção aguda pode causar isquemia (tecido sobre por falta de aporte de sangue) com probabilidade de necrose e morte tecidual. O tratamento imediato iclui aquecimento imediato,curativos com creme hidratante ou soro fisiológico e proteção com gases ou Rayon.

 

B) Joelho :

 

Pelo fato da modalidade exigir caminhada em terreno irregular, por vezes com grandes uphill e downhill, o joelho é submetido a grande estresse, sendo usado em elevados ângulos de flexão. O músculo Quadríceps, ou anterior da Coxa é extremamente utilizado tanto para a extensão do Joelho ao subir em uma pedra, quanto por sua ação frenadora para desce-la. Qualquer predisposição poderá levar às síndromes femoropatelares e Síndrome da Banda Ileotibial. Menos comum, porém possíveis as lesões menisco-ligamentares do joelho. 

 

C) Quadril :

 

Comum bursite trocantérica. A queda da própria altura pode desencadear contusões e hematomas em região glútea e fraturas do cóccige. 

 

D) Coluna Vertebral :

 

Desvios axiais prévios como a escoliose, hiperlordose, hipercifose, associados a uma musculatura estabilizadora lombar enfraquecida e o uso de mochilas pesadas podem desencadear quadro de dores.  

 

A prevenção de lesões inclui :

 

A) Pés:

 

– Usar sempre lubrificantes como o “Hipoglós” e vaselina líquida;

 

– Não usar meias novas, principalmente as de algodão. Se possível, usar as com water blocker;

 

– Cobrir áreas sensíveis com micropore;

 

-Dar preferência aos calçados de cano alto, para evitar acidentes com cobras;

 

– Não usar palmilhas, pois podem aumentar as áreas de fricção. 

 

B) Joelhos:

 

– Tratamento de encurtamento de grupos musculares (ex: Isquiotibiais, quadríceps, Pantourrilha);

 

– Avaliação isocinética e tratamento de possiveis defcits de grupos musculares(ex: extensores do Joelho, em relação ao lado contra-lateral, flexores do Tornozelo, em relação aos extensores do mesmo lado);

 

– Avaliação e correção do ritmo femoropatelar, ou seja, da maneira como a Patela desliza contra o Fêmur;

 

– Correção do tipo de pisada (neutra, pronada ou supinada);- Avaliação e tratamento de possíveis lesões de meniscos, ligamentos ou lesão cartilaginosa que, embora na vida cotidiana possam não causar sintomas,podem levar a quadro de aprisionamento (bloqueio) do Joelho, falseio e dor, principalmente nos terrenos acidentados. 

 

C) Quadris:

 

– Tratamento do encurtamento da Fascia Lata, estrutura localizada na parte lateral da Coxa, responsável pelo atrito e inflamação da bursa trocantérica;

 

– Tratamento do enfraquecimento dos músculos estabilizadores da Pelve,com atenção especial ao músculo glúteo médio, evitando-se a “báscula” ou inclinação da Bacia durante a caminhada;

 

– Avaliação de deformidades pré-existentes da cabeça femoral, com ou sem a presença de alterações degenerativas(osteoartrose). 

 

Lesões não ortopédicas

 

A) Lesões urticariformes: Desencadeadas ao entrar em contato com plantas e espinhos por indivíduos suscetíveis. Tratamento imediato : Lave bem a área acometida e use creme hidratante local. Caso não haja melhoria ou iniciem sintomas de falta de ar, prurido intenso e inchaço generalizado, remover o individuo para cuidados médicos imediatos.

 

B) Picadas de insetos e animais peçonhentos: Não é raro o praticante do trekking tomar uma picada de marimbondo, vespas e formigas. A principio, as lesões são apenas dolorosas e benignas,porém, indivíduos suscetíveis podem desenvolver a chamada “reação anafilática”, na qual , uma reação alérgica generalisada pode causar fechamento de vias aéreas superiores e hipotensão grave. Esta condição indica contato e remoção imediatos com o serviço médico de plantão.Picadas de cobras e aranhas são, sem duvida os acidentes mais temidos nesta modalidade. O melhor tratamento é a prevenção. Não usar papetes ou tênis furados, nunca tocar em nada sem antes observar. Por exemplo: em uma subida íngreme,é comum de se agarrar raízes de plantas. Uma delas pode ser uma cobra ! Confie e obedeça seu guia. Ele certamente tem conhecimento dos hábitos dos animais locais. 

 

Caso ocorra,siga as instruções:

 

– Mantenha-se em repouso, com o membro atingido elevado e imobilizado;

 

– Limpe o local da picada usando água corrente apenas, beba líquidos doces;- Se possível e adequado, leve o animal que causou o acidente para facilitar o diagnóstico;

 

– Não garroteie o membro afetado, pois concentra o veneno em uma única área, podendo levar ao choque anafilático quando retirado- Não chupe o veneno, pois este pode penetrar no organismo pela mucosa oral;- Não esprema o local;

 

– Não faça cortes no local ;

 

– Não use nenhum medicamento nem aplique qualquer substância sobre o ferimento sem orientação médica;

 

– Não ingira bebida alcoólica. 

 

Dr. Adriano Leonardi

CRM/SP 99660

Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela Santa Casa de São Paulo.

Médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, traumatologia do esporte e wilderness medicine. 

 

Referências bibliográficas

 

– Cohen M.,Abdalla R., LESOES NOS ESPORTES DIAGNOSTICO, PREVENÇAO E TRATAMENTO.Revinter,2002.

 

– Opaschowski HW. Crossing borders. The motivation of extreme sportsmen Bundesgesundheitsblatt Gesundheitsforschung Gesundheitsschutz. 2005 Aug;48(8):876-80. German.

 

– Kuniyal JC. Solid waste management techniques for the waste generated and brought down from campsites in the hill spots, trails and expedition tops. Waste Manag Res. 2005 Jun;23(3):182-98.

 

– Lazar R. Concept for a bioclimatic evaluation of an expedition and trekking area at moderate and high altitude] Wien Med Wochenschr. 2005 Apr;155(7-8):176-87. German.

 

– Kroeger K, Janssen S, Niebel W. Frostbite in a mountaineer. Vasa. 2004 Aug;33(3):173-6.- Morton PM, Marshall JP. Wilderness medicine education for the physician. Emerg Med Clin North Am. 2004 May;22(2):539-59, x.

 

– Gutierrez JM, Theakston RD, Warrell DA. Confronting the Neglected Problem of Snake Bite Envenoming: The Need for a Global Partnership. PLoS Med. 2006 Jun 6;3(6):e150 

Leave your comment