Lesões da Mountain Bike

Síndromes compressivas

 

Períneo:

O fato de permanecer sentado no selim por periodos prolongados pode levar a lesões neurologicas do nervo pudendo,podendo acarretar desde perda de sensibilidade na area perineal a impotência sexual. Isso, é claro, relacionado ao tempo de exposição, tipo de banco, postura ao pedalar e predisposição própria do atleta.

 

Mão e punho: Sd Tunel Carpal e Sd do Canal de Guyon . Desencadeadas ao manter a articulação em extensão ou flexão por períodos prolongados, desencadeando o “formigamento” clássico dos dedos, de acordo com o nervo acometido. 

Sídromes dolorosas

 

Coluna vertebral

 

Pedalar envolve a postura mantida da coluna vertebral. Para que as mãos permaneçam no guidão,a coluna lombar é mantida em flexão e, para que o atleta veja a trilha, a cervical fica em hiperextensão. Uma altura de banco mal regulada,um quadro inadequado para a altura do ciclista, a pressão mantida em determinado ponto da vértebra pode levar a estiramentos ligamentares, fissuras e hérnias dos discos intervertebrais e, consequentemente a dores e radiculopatias.

 

Membros inferiores

 

O gesto espotivo da pedalada envolve o recrutamento de diferentes grupos musculares. A cadeia extensora e flexora da coxa e da perna, durante a pedalada, é solicitada, tanto para a contração concêntrica, quanto para a excêntrica. Assim como na corrida, os movimentos de aceleração e desaceleração em uma cadeia cinética fechada (movimento envolve 2 ou mais articulaçoes) exigem que a musculatura trabalhe em harmonia entre potência e flexibilidade. Caso contrário, a lesão será inevitável.

Pedalar com o banco baixo pode levar às síndromes da hipertensão femoropatelar e da banda Ileotibial.Que, se não tratadas, podem levar tendinites patelares e quadricipitais, “hoffites” e ao amolecimento da cartilagem retropatelar, também conhecido como condromalácea. 

 

Lesões traumáticas

 

Em um acidente ciclístico, a energia cinética gerada no momento do trauma, a posição da articulação e o vetor do movimento ditarão a estrutura a ser lesada. Em diversas situações, os pés podem estar presos aos pedais ou à corrente. A colisão contra veículos motorizados potencializa o risco de lesões graves,sequelas e morte.

De uma maneira geral, o ciclista, ao cair, leva instintivamente a mão ao solo. Ocorre movimento de extensão do punho até o limite fisiológico e, a partir daí,iniciam-se as lesões ao nível do punho: fraturas do rádio, ulna, ossos do carpo e metacarpeanos, lesões ligamentares, com luxações dos ossos do carpo e de falanges e lesão do Complexo fibrotriangular do punho.

 

– Dependendo da posição dos membros na queda e da direção da dissipação da enregia cinética outros segmentos do corpo poderão ser afetados : Traumatismo cranio encefalico (TCE), com possibilidades de perda de consciência,danos neurológicos e morte por hipertensão intra-craniana.

 

– Lesões da coluna vertebral: fraturas,luxações e lesões discais.

 

– Lesões no ombro, sendo a luxação acromioclavicular (ruptura ligamentar entre a clavícula e o Acrômio) a mais comum

 

– Lesões na perna e tornozelo: fraturas, lesões ligamentares (pé preso ao pedal) e lesões musculares

 

Outras lesões

 

– Pedalar em certa velocidade, principalmente ao final da tarde pode levar a penetração de insetos nos olhos, que, por tratar-se de material orgânico, tende a se decompor liberando enzimas que podem lesar a córnea e a conjuntiva. O impacto direto de objetos nos olhos também pode causar lesões mecânicas. Para evitar que isso aconteça use sempre óculos de proteção. Caso ocorra, trata-se de uma urgência oftmalógica. Em ambas situações, lave exaustivamente os olhos. Não tente remover nada e procure um hospital imediatamente. Não deixe para amanhã. E não pingue colírios anestésicos!

 

– Pedalar em locais poluídos ou com grande suspensão de poeira pode desencadear lesões em vias aéreas, como crises de rinite e asma. Caso isso ocorra, pare e descanse. Mantenha a calma e, se não melhorar, peça ao seu dupla a lhe auxiliar a procurar serviço médico.

 

– Pedalar em locais muito quentes, por períodos prolongados, transpirando muito também pode causar desidratação, câibras, fadiga e dores musculares. Para que isso não ocorra, tenha sempre um plano de nutrição esportiva.

 

Dr. Adriano Leonardi

CRM/SP 99660

Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela Santa Casa de São Paulo.

Médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, traumatologia do esporte e wilderness medicine.

 

Referências bibliográficas

 

– Cohen M.,Abdalla R., LESOES NOS ESPORTES DIAGNOSTICO, PREVENÇAO E TRATAMENTO.Revinter,2002.

 

– Opaschowski HW. Crossing borders. The motivation of extreme sportsmen Bundesgesundheitsblatt Gesundheitsforschung Gesundheitsschutz. 2005 Aug;48(8):876-80. German.

 

– Kim PT, Jangra D, Ritchie AH, Lower ME, Kasic S, Brown DR, Baldwin GA, Simons RK. Mountain biking injuries requiring trauma center admission: a 10-year regional trauma system experience. J Trauma. 2006 Feb;60(2):312-8.

 

– Arnold MP. [Mountain biking. Cool way to enjoy nature with side effects] Orthopade. 2005 May;34(5):405-10. Review. German.

 

– Brunkhorst CB. [Mountain bike accident] Schweiz Rundsch Med Prax. 2005 Dec 7;94(49):1972-3. German.

 

– Nishii T, Umemura Y, Kitagawa K. Full suspension mountain bike improves off-road cycling performance. J Sports Med Phys Fitness. 2004 Dec;44(4):356-60.

 

– Redfield RC, Self B, Fredrickson B, Kinard A. Motion measurements in the jumping of a mountain bike. Biomed Sci Instrum. 2004;40:43-50.

 

– Morey ER, Buchanan T, Waldman DM. Estimating the benefits and costs to mountain bikers of changes in trail characteristics, access fees, and site closures: choice experiments and benefits transfer. J Environ Manage. 2002 Apr;64(4):411-22. 

Leave your comment