Oct 19

Desidratação

Todos já ouviram falar de desidratação. A desidratação pode causar problemas irreversíveis. Há pouco tempo fiquei sabendo de um atleta que durante uma prova de corrida de aventura sofreu uma desidratação tão grave que acabou com insuficiência renal crônica.

Assim, este é um assunto muito sério e tentarei ser o mais claro e resumido possível pois falar de desidratação envolve falar tudo sobre fisiologia renal, um capítulo gigantesco da medicina, algo que fugiria ao nosso propósito.

Basicamente nosso corpo funciona utilizando apenas alguns poucos elementos. Usamos Glicose, obtida dos alimentos, para gerar energia que é gasta em todos os processos metabólicos, Proteínas, que são utilizadas para compor a estrutura de nosso corpo, Gorduras, que servem tanto para armazenar energia quanto para fornecer energia a partir de produção ou consumo de glicose. Mas para que tudo funcione, para que todo o metabolismo seja possível de ser realizado é preciso que haja um meio onde todas as reações químicas ocorram. Este meio é composto basicamente por água e sais minerais, principalmente o Sódio e o Potássio, mas também Cloro, Bicarbonato. Um recém nascido possui até 95% de seu peso corporal composto apenas por água e um adulto em média 75%. Sem este meio líquido as reações químicas que fazem parte de todo o nosso metabolismo não podem ocorrer e haveria uma falência metabólica. Alem disso nosso sangue, que é o Órgão responsável pelo transporte de tudo que entra e sai de nosso corpo, fazendo a distribuição de todas as substancias úteis e permitindo a remoção de todas as substancias nocivas ao organismo, é composto principalmente de água e sais minerais.

Para que o metabolismo ocorra de forma normal é preciso que haja uma situação de equilíbrio em nosso organismo. A isto chamamos de Omeostase, e somente quando há este equilíbrio, somente quando a Omeostase esta preservada é que o corpo humano é capaz de executar todos os processos metabólicos. A perda da Omeostase gera uma situação onde parte ou o total dos processos metabólicos deixam de ser executados e com isto o organismo começa a sofrer lesões ou perda de suas funções.

A desidratação é uma perda da omeostase de um individuo por uma quebra no equilíbrio hidroeletrolítico. O equilíbrio hidroeletrolítico corresponde a relação entre água e sais minerais existentes em nosso corpo. Para que o meio onde o metabolismo ocorre seja favorável a ocorrência das reações químicas é preciso que a concentração de sais minerais seja constante. Se houver uma perda excessiva de água levando a um aumento da concentração de sais este meio se torna inadequado e muitos processos metabólicos deixam de ocorrer. O mesmo ocorre na situação inversa, se houver perda excessiva de sais tornando o meio menos concentrado. É isto que chamamos de equilíbrio hidroeletrolítico, ou seja, a manutenção de uma concentração adequada de água e sais minerais em nosso corpo de forma que não ocorra prejuízo ao processo metabólico.

Nossos rins são os órgãos responsáveis por manterem o equilíbrio hidroeletrolítico em nosso organismo.

Um rim é um órgão composto de células altamente especializadas que formam estruturas especializadas em controlar a concentração de sais minerais em nosso corpo pela maior ou menor retenção de água. Se houver um aumento na concentração de sais minerais em nosso corpo, como por exemplo quando comemos aquela picanha feita no sal grosso, ou ingerimos qualquer tipo de alimento de modo geral, nosso rim irá reter água para manter quantidades suficientes de solvente neste meio líquido de forma a compensar o excesso de sal evitando o aumento excessivo da concentração do meio. Caso ocorra o inverso, se ingerirmos uma grande quantidade de água para evitar a diminuição da concentração do meio interno o rim irá excretar a água em excesso.

Alem disso nosso rim excreta substancias tóxicas ao corpo que são ingeridas ou produzidas pelo nosso metabolismo, daí dizermos que os rins filtram o sangue eliminando as impurezas.

Alem disso os rins atuam em um outro equilíbrio do meio interno, sem o qual também ocorre a perda da omeostase, que é o equilíbrio ácido base. Assim como a concentração do meio interno o PH (Potencial Hidrogeniônico), ou simplesmente acides, é muito importante e caso ocorra alterações do PH ideal também teremos comprometimento do metabolismo e falência orgânica.

Para que nosso rim funcione adequadamente e ele possa cumprir as funções descritas, manter o PH interno e manter a concentração do meio interno adequados aos processos metabólicos, ele precisa destes dois elementos: água e sais minerais.

Sem água e sem sais minerais os rins perdem a sua capacidade de funcionar corretamente e eles por si próprios podem causar a desidratação do organismo.

A principal causa da desidratação de uma pessoa não é a falta de água, ao contrário do que todo mundo pensa, mas sim a falta de sais minerais. Sem sais minerais o rim não consegue reter a água dentro de nosso corpo (o que é chamado de perda da capacidade de concentrar a urina) e cada vez mais ele irá excretar urina aumentando ainda mais a falta de água no nosso organismo ate um momento em que este entra em colapso.

Para que a função renal seja preservada é preciso que ocorra uma ingestão constante de sais minerais, estes são obtidos a partir dos alimentos (não é o sal que usamos como tempero, mas sim o sal que esta contido no alimento como parte de sua estrutura pois todo alimento possui quantidades variadas de sal, o sal de tempero já um excesso pois á adicionado ao alimento). Esta ingestão serve para repor os sais minerais que são gastos ou perdidos pelo nosso organismo. Nós perdemos sais pela transpiração, pela urina, pela respiração e pelo consumo decorrente dos processos metabólicos de nosso organismo. Assim se não houver sua reposição ocorrerá a quebra da omeostase interna pela diminuição da concentração do meio interno.

O mesmo o corre com a água, é perdida pela transpiração, urina, respiração e consumo nos processos metabólicos e por isto nos devemos repor estas perdas. Para que ocorra a reposição de água em nosso corpo nosso organismo lança mão do Mecanismo da Sede. Uma vez que um aumento da concentração do meio interno é detectado pelo rim este “produz um aviso” ao nosso cérebro e passamos a sentir a necessidade de ingerir água para repor o que foi perdido.

Infelizmente nosso corpo não possui um “Mecanismo do Sal” tão efetivo quanto ao da sede. É comum termos o desejo de ingerir um alimento salgado, mas este mecanismo é demasiadamente lento e inconstante para ser eficaz na manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico de nosso corpo.

Situações climáticas são predisponentes a perda de líquido e sais. Ambientes quentes e úmidos são os mais problemáticos. Nesta situação a elevada temperatura causa a ativação dos mecanismos de controle da temperatura corporal. De maneira resumida o que ocorre é que nosso corpo lança mão de meios para eliminar calor e refrigerar o corpo. Nesta situação a transpiração é utilizada o que causa a perda de grandes quantidades de água e sal. O suor é composto de água e cloreto de sódio pois esta solução é mais eficaz na eliminação do calor, e isto pode causar a desidratação por si só.

Ambiente quente e seco também geram a mesma situação, mas com uma diferença. No ambiente quente e úmido a unidade do ar dificulta a perda de calor pelo mecanismo da transpiração o resultado disto é que quando há um ambiente quente e úmido transpira-se muito mais para tentar manter constante a temperatura do nosso corpo, ocasionando maior desidratação. No ambiente quente e seco a transpiração é mais eficaz na sua função.

Assim, desidrata-se muito mais em um ambiente quente e úmido.

Alem da desidratação as elevadas temperaturas podem causar outros distúrbios conhecidos como Entermação e Ensolação, mas isto é assunto para outro dia.

Quando estamos desidratados sentimos sede, pela ativação do mecanismo da sede, se fizermos a ingestão de apenas água podemos desencadear um grande problema no nosso equilíbrio hidroeletrolítico. Lembrem-se que para funcionar nosso rim precisa de sal, sem isto ele perde a capacidade de concentrar a urina. Nos não paramos de produzir urina quando desidratamos, nós diminuímos o volume produzido concentrando a urina e com isto conseguimos reter água pela diminuição da sua excreção renal.

Se nosso rim perde a capacidade de concentrar a urina por falta de sal o resultado é que não concentramos mais a urina e com isso a perda de água irá aumentar. Assim sentiremos mais sede e quanto mais água pura ingerirmos mais o rim irá perder a capacidade de concentrar a urina e mais desidratado estará nosso organismo até um momento em que uma situação de colapso completo irá se desenvolver.

Vemos então que Hidratação só pode ser completa pela ingestão de água e Sal. Em ambientes quentes e úmidos isto é obrigatório, e isto não pode de maneira alguma ser relevado. Basta apenas algumas horas neste ambiente para um adulto estar desidratado, mesmo que este não esteja executando nenhuma atividade física. Quando executando atividade física uma pessoa produz calor o que aumenta o efeito térmico do ambiente sobre o corpo e favorece a desidratação por aumento da transpiração

Em uma prova tenha em mente que para manter-se hidratado é preciso ingerir grande quantidade de água e Sal. Comer alimentos salgados pode ser suficiente para repor o sal perdido mas se o intervalo entre as refeições for longo demais não será suficiente para esta função, neste caso é preciso ingerir sal junto com a água. Eu sugiro o uso de sal grosso para churrasco. Um pequeno recipiente com um pouco deste sal pode ser suficiente para manter uma pessoa bem por dias. Gosto deste sal pois quem não gosta de comer sal puro pode engolir as pedrinhas com um gole de água, como se fosse um comprimido. Isto já o suficiente para se ter uma hidratação completa.

Tem quem goste de cápsulas de sal... mas não passa de gasto de dinheiro, as pedrinhas de sal grosso são exatamente a mesma coisa.

 

 

Dr. Iversen