Oct 17

Ruptura menisco-ligamentar do joelho

Como se diagnostica uma ruptura menisco-ligamentar do joelho ?

Passada a fase aguda de dores e inchaço, com melhoria da defesa muscular e, consequentemente, melhor cooperação ao exame, investiga-se pontos dolorosos, bloqueios e movimentos anormais entre o fêmur e a tíbia. Todas as manobras executadas pelo médico visam determinar se há insuficiência ligamentar e o grau da lesão. Apesar de dispormos hoje de toda a propedêutica armada e exames de acurácia elevada, um exame físico minucioso, criterioso executado por mãos experientes são mais importantes para o diagnóstico que uma ressonância nuclear magnética de última geração. Portanto, um ortopedista experiente e dotado de bom senso é a peça fundamental não só no diagnóstico, mas também para poder orientar o prognóstico da lesão frente à idade e pretenções esportivas do paciente.



Exame físico do joelho, determinando sua estabilidade.

Obviamente, a propedêutica armada é muito importante e deve sempre ser solicitada caso haja alcance à mesma. O exame "padrão ouro" que vem se tornando cada vez mais popular é a ressonância nuclear magnética. Seu uso ainda não está disponível em todos os centros devido a seu alto custo, sendo esta, sua única desvantagem. É um método de imagem que não utiliza radiação ionizante, mas sim pulsos de radiofrequencia, gerando campo magnético. As imagens geradas variam de acordo com a densidade de íons H+ do tecido estudado. Obtem-se, portanto um mapa tomográfico de prótons H+, gerando imagens capazes de distinguir intensidades de sinais diferentes entre áreas normais e patológicas, assim como excelente contraste entre tecidos vivos.O exame pode não só confirmar a lesão que o médico suspeita, mas também traz dados como possíveis lesões à cartilagem articular, contusão óssea e a quantidade de líquido presente na articulação.

 

Além da ressonância, o uso de um artrômero(KT-1000)auxilia no diagnóstico. Trata-se de um aparelho que, preso à perna lesada do paciente gradua o grau de deslocamento anterior da tíbia em relação ao fêmur. Isso,de maneira comparativa ao lado sadio.


Dr. Adriano Leonardi
CRM/SP 99660
Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela Santa Casa de São Paulo.
Médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, traumatologia do esporte e wilderness medicine.