Oct 19

Síndromes Compressivas do Punho

Síndrome Compressiva do Punho

As síndromes compressivas ao nível do punho são eventos comuns da prática clinica e estão relacionados ao gesto esportivo mantido por longo período, como, por exemplo o fato de se manter a mão à manopla da bicicleta, com o punho em extensão forçada.Também podem ser desencadeadas de forma aguda, como, por exemplo, após contusões no punho, com hematoma causando LESÃO OCUPADORA DE ESPAÇO.

A Síndrome do Tunel Carpal ocorre quando há acometimento do Nervo Mediano em seu trajeto no punho, no tunel carpeano, em conjunto com os flexores superficiais e profundo dos dedos.

Os sintomas são o de "formigamento" do polegar , segundo e terceiro dedos e metade do quarto dedo e podem incomodar o esportista a ponto do mesmo interroper uma prova e mobilizar os punhos para alivio de sintomas.

 

Em atletas de endurance, devido ao gesto repetitivo, a doença pode se cronificar, chegando à perda de movimentos delicados do Polegar.

A Síndrome do Aprisionamento Ulnar , ou Síndrome do Canal de Guyon ocorre devido à compressão do mesmo em sua entrada no punho. Os sintomas incluem "formigamento" da metade de dentro ( medial ) do quarto dedo e o quinto dedo. Pode ser causada de maneira semelhante à síndrome anterior por compressão mantida do punho. Em geral, ocorre como evento de curta duração e atletas que usam o punho de maneira inadequada, adquirindo posturas viciosas, como, por exemplo, em montanhistas que mantém o punho muito fletido e inclinado para o lado ulnar (oposto ao polegar); ou ciclistas que comprimem o punhos nas Bar Ends .

Sua cronificação leva à atrofia generelizada da musculatura da mão e a uma condição conhecida como "mão em garra" (fig.1), com perda da capacidade de extensão do quarto e quinto dedo.

O diagnóstico de ambas enfermidades é feito pelo quadro clinico e por exames complementares. Em geral basta uma Eletroneuromiografia para confirmá-los. Quando há suspeita de massa comprimindo os canais nervosos, um exame de iamgem é de boa valia.

O tratamento é basicamente fisioterápico, com alongamento muscular e correção do gesto esportivo vicioso.

Casos refratários têm melhora com descompressão cirúrgica.

Dr. Adriano Leonardi
CRM/SP 99660
Mestre em Ortopedia e Traumatologia pela Santa Casa de São Paulo.
Médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho, traumatologia do esporte e wilderness medicine.